Itabuna: Médico é dispensado de Policlínica por atender além da conta

Itabuna: Médico é dispensado de Policlínica por atender além da conta 1

Médico e candidato a deputado federal mais votado na última eleição em Itabuna, sul do estado, Antonio Mangabeira França (PDT), o doutor Mangabeira, foi dispensado de trabalhar na Policlínica Dois de Julho. O motivo: Mangabeira estava atendendo demais. Segundo ofício da secretaria de saúde, o médico não estava “respeitando” a forma de atendimento estabelecida na Policlínica que se dá via regulação, previamente agendada nas unidades de saúde e municípios da região.

Ainda conforme o comunicado, Mangabeira não estaria “respeitando o fluxo, efetuando com frequência, atendimentos além da demanda programada, realizando consultas de clínica médica, descaraterizando a Unidade que só atende especialidades”. O médico, que atendias às segundas, terças e quintas, deu expediente na Policlínica até a última terça-feira (13).

Apesar de não ter sido eleito para a Câmara Federal – obteve 19,9 mil votos no pleito de outubro passado no município – Mangabeira é dado como certo em Brasília e deve entrar na vaga de Félix Mendonça (PDT. Em 2016, nas eleições municipais, ele foi o segundo mais votado, perdendo para o atual prefeito Fernando Gomes, informou o BN.

Uma resposta a Itabuna: Médico é dispensado de Policlínica por atender além da conta

  • Wolf Moitinho disse:

    Acho até graça dos idiotas que governam as nossas cidades. Naturalmente, todos sabemos que muitos médicos não gostam da carga horária, principalmente porque os valores pagos pelos entes federativos são irrisórios.
    Agora, o médico que atende além do que deveria atender são questionados? Ora, se o Dr. Mangabeira atende muito mais pacientes do que deveria, é um fato importante.
    Alega o alcaide ou o seu representante que havia o intento politico, mas se houve a intenção e esta feriu a lei, seria algo para se pensar e agir a tempo. Entretanto, para um conhecedor da Lei, já que o Dr Mangabeira também é advogado, ele não colocaria o seu mandato em risco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *