IBGE: moradores da Bahia enfrentam o segundo maior deslocamento médio do Nordeste para acessar bens e serviços

IBGE vagas abertas

O estudo sobre Regiões de Influência das Cidades (Regic) revelou que a Bahia apresentou, em 2018, o segundo maior deslocamento médio do Nordeste para acesso a bens e serviços, abaixo apenas do Maranhão. O Regic analisa a rede urbana brasileira e foi divulgado, nesta quinta-feira (25), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o estudo, em relação a todos estados do país, a Bahia apresentou o 11º maior deslocamento médio para acesso a bens e serviços, de 124 quilômetros. A maior distância era a percorrida para conseguir atendimento médico de alta complexidade, como internações, cirurgias, tomografias e tratamentos de câncer, por exemplo, com 213 km. Em seguida, vinha a distância para acessar um aeroporto: 200 km.

O IBGE explica que as maiores distâncias eram as verificadas em temas nos quais a influência de Salvador era maior. Em relação aos serviços que os municípios do interior são capazes de atender, as distâncias médias foram menores, a exemplo da compra de móveis e eletroeletrônicos (75 km) e vestuário e calçados (89 km). Em relação a esses itens, os municípios de Feira de Santana e Vitória da Conquista registram importante influência na atração de pessoas.

Capitais regionais

O estudo também revelou que, em termos de hierarquia urbana, 90% das cidades baianas manteve, em 2018, a classificação que tinha na Regic 2007. Contudo, foi sentida alteração, entre 2007 e 2018, em Itabuna e Eunápolis, cidades localizadas no sul do estado, que tornaram-se capitais regionais.

Além destas duas cidades, Luís Eduardo Magalhães, no oeste do estado, teve maior ascensão: em 2007, tinha status de centro local; em 2018, tornou-se centro sub-regional B. O município passou a ter região de influência, constituída por Taguatinga, em Tocantins, fator que mostra que a cidade aumentou sua atratividade, acrescenta o Regic.

Influência de Salvador

O Regic explica que a Bahia tem a região influenciada principalmente pela metrópole de Salvador. Contudo, a capital não cobre todo o território, uma vez que a região oeste foi “capturada” pela rede de influência de Brasília, e o Norte, pela rede do Arranjo Populacional de Petrolina, em Pernambuco, informou a pesquisa.

Por outro lado, a influência da metrópole Salvador se estende além das divisas baianas e abrange as cidades de Minas Gerais, do estado de Alagoas e Pernambuco, além do Tocantins.

Link permanente para este artigo: https://www.ilheus.net/2020/06/ibge-moradores-da-bahia-enfrentam-o-segundo-maior-deslocamento-medio-do-nordeste-para-acessar-bens-e-servicos.html

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.