Publieditorial

Inspirada na lancheira da filha, empresária ilheense cria negócio que faturou R$ 1 milhão

Larissa já vendeu caixa de presentes, óculos, cosméticos, trufas, mas somente anos depois, impulsionada pela vontade de passar mais tempo com as filhas, decidiu fundar a Snack Saudável com apenas R$ 3 mil; conheça

Inspirada na lancheira da filha, empresária ilheense cria negócio que faturou R$ 1 milhão 1

Divulgação – Antes da Snack Saudável, Larissa conta que ficava apenas durante a noite com as filhas pequenas.

Como costumavam ser os lanches em seus recreios durante o período escolar? Entre as inúmeras lembranças que podem vir à mente, dizer que “ comidas naturais ” estavam na lancheira é bastante improvável, certo? Embora isso ainda seja difícil de encontrar, a empreendedora Larissa Souza, de 37 anos, faz parte do ‘time’ que luta para mudar esse padrão nada saudável no País, promovendo a transformação para ao menos 20 mil estudantes brasileiros. E essa história começou com um investimento de apenas R$ 3 mil.

Em 2016, Souza oficializou, com a ajuda de uma amiga nutricionista, a Snack Saudável , uma empresa do município de Ji-Paraná, em Rondônia, que tem a proposta de vender “kits de lanches saudáveis” para estudantes de dois a 17 anos. E apesar de um investimento inicial tão baixo, o negócio deu certo e faturou R$ 1 milhão no final do ano passado.

Lição de casa

A história teve início há pouco tempo. Larissa Souza conta que preparava a lancheira de sua filha mais velha, de seis anos, todos os dias e, diferente da maioria dos colegas da mesma turma, a garota levava uma fruta, um suco natural e alimentos caseiros para o recreio.

Até que, em novembro de 2015, a então assistente social teve o insight de transformar a ‘intervenção’ diária na alimentação da filha em uma oportunidade de oferecer às outras crianças a mesma refeição saudável e, de quebra, fazer negócio.

Como parte da análise de mercado, Souza foi até a escola para saber o que as crianças costumavam lanchar. E o resultado das visitas não surpreendeu a empresária: achocolatado, suco de caixinha, nuggets e bolachas recheadas eram alguns dos lanches comuns nos recreios.

Além da pesquisa para o futuro empreendimento, Larissa vivia um momento complicado. Como trabalhava de manhã em um Centro de Atenção Psicossocial (Caps) e à tarde em um abrigo para menores, a empresária praticamente não via as filhas durante o dia, e enxergava, na futura empresa, a chance de poder ficar mais tempo com elas. Continue lendo

Eunápolis: 30 anos de Emancipação

Eunápolis: 30 anos de Emancipação 3

Eunápolis comemora neste 12 de maio, 30 anos da sua emancipação. Independência que resultou de uma longa mobilização iniciada em data não precisa, mas que tem como ponto de referência o ano de 1962, quando – em data desconhecida – as câmaras de vereadores de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália teriam realizado reuniões no próprio povoado, vindo discutir a separação do então povoado dos dois municípios. E teve como ato final, a sanção da Lei nº 4.770, pelo governador Waldir Pires, no dia 12 de maio de 1988.

Nessa data, teve início o processo de criação da nova unidade federativa do Estado, que só foi concluído no dia 1º de janeiro de 1989, quando o juiz de Direito, Edvaldo Oliveira Jatobá empossou o primeiro prefeito municipal, Gediel Sepúlvida Pereira, o vice-prefeito, José de Oliveira Melo, e os 13 vereadores, instalando após, o novo município.

Esse foi o ápice de uma história que teve início na primeira metade da década de 1940, quando Joaquim Quatro, um lavrador que fugia da Justiça de Minas Gerais, aqui chegou e construiu, nas imediações de onde hoje é a esquina das ruas: Marcílio Dias e 13 de Maio, no bairro Gusmão, uma morada tosca, de madeira e palhas, onde residiu por cerca de uns 10 anos. Pouco depois de Joaquim, segundo o escritor Alcides Lacerda, teria chegado outro lavrador, de prenome Dioclécio, que aqui teria vivido “algum tempo” – não há registro da sua estada aqui.

Esses são os primeiros registros de uma ocupação que somente se efetivou, realmente, alguns anos depois, através de um acampamento dos trabalhadores que construíram o “ramal” – parte da rodovia hoje denominada de BR 367, que liga Eunápolis a Porto Seguro -, entre os anos de 1946 e 1948. Segundo os originais de um livro inacabado deixado por Wanderley Nascimento, um morador antigo do povoado, “como o pagamento dos operários era feito na sede da EMENGE, as famílias de alguns tarefeiros e operários, começavam a instalar pequenos botecos nas proximidades da empresa, margeando a BA-02 e a rodovia de Porto Seguro. Januário Neres, morador antigo, juntamente com o ex-proprietário das terras, Joaquim Quatro, instalara um casebre que servia de pensão e depósito a pessoas e mercadorias em trânsito para Porto seguro (…) Foi assim que, de barraco em barraco, de família em família, o acampamento foi tomando forma de povoado”, relata Wanderley. Continue lendo

Hometheaters: aprimore a qualidade de sua sala de tv

Hometheaters: aprimore a qualidade de sua sala de tv 7

As televisões estão cada vez mais dotadas de tecnologia. A medida que o tamanho tem ficado cada vez maior, as tv’s estão cada vez mais finas e sensíveis. Mas, na contramão de toda essa modernização, o som pode não acompanhar este avanço.

Ao buscar apartamentos à venda e começar os planejamentos para o design dos ambientes, um dos pontos que deve ser levado em consideração na sala de estar é a qualidade do som e imagem da televisão.

A palavra de ordem ao planejar este ambiente é a imersão e relaxamento. Não basta somente um sofá aconchegante e uma iluminação baixa, propícia para melhorar a qualidade da imagem, é necessário um bom ambiente sonoro para completar a experiência.
Mas afinal como criar uma atmosfera agradável na sua sala de estar? Vamos te mostrar algumas dicas de como montar este ambiente e como preparar seu hometheater para criar este ambiente imersivo. Continue lendo

É necessário navegar mas, e se o Barco furar?

É necessário navegar conscientemente na rede, assim como zelamos pela nossa segurança no trânsito ou ao entrar e sair de nossas casas.

É necessário navegar mas, e se o Barco furar? 8

Foto: Laika / Google

A internet com sua força unificadora diminuiu o tamanho do Mundo. Sua história começou no decorrer da década de 50, após o lançamento dos primeiros satélites e envio da cadelinha Laika ao espaço, quando foram iniciadas pesquisas que deram origem as formas atuais de comunicação.

Os primeiros computadores foram conectados em uma rede na década de 60 e na década de 70, começou a surgir a Internet como a conhecemos hoje: Uma rede cheia de múltiplas redes, que conecta milhões de dispositivos tecnológicos ao redor do Mundo, e que se transformou em uma ferramenta indispensável no dia a dia das pessoas.

Na década de 90, surgiu o projeto World Wide Web (WWW) que é um sistema de documentos dispostos na Internet permitindo o acesso às informações apresentadas de maneira organizada que, impulsionou a utilização da rede universalmente. Em casa, na escola, no trabalho e até no  lazer, a internet é um mar de conexões, e como diz o poeta português Fernando Pessoa: “navegar é preciso“.

Na Internet, por exemplo, usando os malevolentes pacotes de dados “que sempre acabam quando você mais precisa”, podemos povoar um mundo virtual, enviar e-mails, fazer trabalhos acadêmicos, disseminar notícias, realizar negociações, baixar arquivos, conhecer pessoas, montar rede de amigos e quebrar fronteiras.

Mas, da mesma forma que o uso da a internet vem se desenvolvendo diariamente, os problemas vem crescendo no mesmo ritmo. Uma variedade de artifícios para prejudicar ou atrapalhar os internautas se espalha pela rede, por exemplo, na retaguarda de uma simples mensagem, podem haver: Vírus, Cavalos de Troia e outros programas maliciosos. Continue lendo