Publieditorial

Covarde, impiedoso e vingativo, Zé Dirceu toma carro de jornalista do interior da Bahia

Covarde, impiedoso e vingativo, Zé Dirceu toma carro de jornalista do interior da Bahia 1

O petista José Dirceu, quando ainda era um poderoso ministro de um governo que se chafurdou no mar de lama da propina e da corrupção, não teve a coragem necessária para processar nenhum veículo da Grande Mídia. Não processou a Folha. Não processou o Estadão. E também não processou a Veja. Resolveu processar o jornalista Marcel Leal, do jornal A Região de Itabuna (BA).

O processo tramitou em tempo recorde e Marcel acabou sendo condenado a indenizar o ministro.

Mais tarde, quando ficou evidenciado que o jornalista estava correto, o processo já havia transitado em julgado.

Sem perda de tempo, o petista está executando a dívida e vai confiscar o carro do jornalista.

Marcel Leal publicou o seu relato sobre o caso:

“Sim, aquele José Dirceu, ex-ministro de Lula, eminência parda do governo, milionário, condenado a 30 anos de cadeia por corrupção, vai tomar o meu único carro, que levei três anos para pagar com muita dificuldade. Ele será confiscado para pagar uma indenização ao petista.

José Dirceu me processou porque não gostou de um artigo que escrevi sobre o assassinato do prefeito petista Celso Daniel, comentando o relatório da investigação feita pelo Ministério Público de São Paulo, que apontava para a cúpula do PT, na época comandada por ele. Continue lendo

Caso exemplar de manipulação política, corrupção e desperdícios, a VALEC consome R$ 1,3 milhão por dia

Caso exemplar de manipulação política, corrupção e desperdícios, a VALEC consome R$ 1,3 milhão por dia 2

O Ministério da Infraestrutura anunciou a intenção de deflagrar em março a liquidação da Valec, companhia estatal criada há 48 anos com foco no planejamento e na administração de engenharia de ferrovias.

Seria a primeira iniciativa do governo Jair Bolsonaro no processo de desestatização, com reflexos diretos nas contas do setor público.

A Valec é um caso exemplar de estatal com histórico de manipulação política, corrupção e desperdícios. Hoje consome cerca de R$ 1,3 milhão a cada dia útil. Gasta R$ 300 milhões por ano para manter abertas as portas dos seus escritórios, onde trabalham 800 pessoas.

Ela possui um acervo de obras caras e inacabadas, periodicamente “reinauguradas” a custos crescentes. Um desses projetos é o da ferrovia planejada para dar ao agronegócio do Centro-Oeste uma saída atlântica no litoral sul da Bahia.

São 1.527 quilômetros desde os campos de Figueirópolis, no Tocantins, até o mar em Ilhéus. Essa integração foi celebrada por Lula na campanha de reeleição, em 2006, e festejada por Dilma, nas temporadas eleitorais de 2010 e 2014. A ferrovia mal saiu do papel, mas nela já foram dissipados mais de R$ 4 bilhões em dinheiro público.

Nesse empreendimento tem-se um estuário das singularidades que caracterizam o gigantismo do Estado na economia. O plano da estrada de ferro estabelece a ligação de uma vila de cinco mil habitantes no sul do Tocantins a lugar nenhum. Continue lendo

CARTA DE UM JOVEM ESTUDANTE ILHEENSE AO POR ENQUANTO PREFEITO MÁRIO ALEXANDRE

CARTA DE UM JOVEM ESTUDANTE ILHEENSE AO POR ENQUANTO PREFEITO MÁRIO ALEXANDRE 5

Aos mais próximos, é notório saber minha dificuldade de síntese. Acredito que diante da necessidade de pontuar tudo que é necessário ser dito ao por enquanto prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre do PSD, espero que essa dificuldade seja menos importante do que a necessidade urgente de desentalar o que qualquer outra pessoa ilheense gostaria de dizer ao senhor prefeito. Sem mais delongas vos direi o que tem que ser dito.

Esse é um novo ano. Mas nada vai ser novo se nós tivermos o mesmo ser e as mesmas atitudes. Quando digo, nós, dirijo-me á nós dois caríssimo prefeito. Essas linhas que lhes escrevo é justamente a “novidade”. Ao longo dos próximos meses acostume-se a ter minhas cartas e de outras juventudes que começarão a lhes escrever. Somos muitos e muitas. Especificamente cerca de sessenta mil jovens em ilhéus cuja sua maioria tem pouca ou nenhuma política pública municipal em suas vidas.

É sobre políticas públicas que quero tratar nessa carta com o senhor Prefeito Mário Alexandre. Lá se vão dois anos de vosso governo municipal. E quais as políticas públicas para a juventude de ilhéus? Essa pergunta quem deveria responder seria o Jarbas Cardoso Cotrin que ganha quase R$ 4.000 reais mês como chefe do setor de políticas públicas para juventude, mas ele é inacessível a meses que tentamos contato com ele. Ou deveria ser o senhor mesmo que ganha quase R$ 13.000 reais mês como nosso prefeito? O importante é a resposta. Aguardamos ansiosos, inclusive. Enquanto isso, ilhéus no mapa da criminalidade, continua sendo um dos municípios baianos com maior taxa de homicídios da juventude, além de uma cidade que tem altos índices de estupros e vários outros problemas sociais que maltrata a essa juventude que componho. Jovens mulheres sofrem enquanto aguardam essa resposta. Jovens homens majoritariamente negros também. Políticas Públicas para o senhor talvez seja fonte de voto. Para nós, é oportunidade de vida e sobrevivência. Continue lendo

Com todos os problemas, Prefeito de Ilhéus se saiu mais ou menos em 2018; Comente sua opinião

Com todos os problemas, Prefeito de Ilhéus se saiu mais ou menos em 2018; Comente sua opinião 6

É verdade que no segundo ano Marão fez mais ou menos o dever de casa, a tal e proclamada governabilidade.

Mas, as demandas da população são de um tamanho brutal, principalmente, para quem mira como prioridade fazer um projeto para os morros, atrativos turísticos, implantação de um Hospital na Zona Sul, entre outros, tal qual, tirar Ilhéus da condição de maior devedor trabalhista do país, sendo este que atrapalha administração, por conta dos diversos sequestros que a Prefeitura vem tendo durante seu governo, tudo isso culpa de governos anteriores.

Olhando pelo retrovisor, conclui que o Pacote (de “maldades”) que retiraria vantagens dos servidores, foi postergado, mas é essencial para que Ilhéus chegue a um momento com “alguma tranquilidade” nas suas contas públicas, uma vez que, a arrecadação desabou, é melhorar o modo de arrecadação e fazer uma gestão gerencial, gerindo recursos e pessoas aptas para o cargo, neste aspecto ele falhou.

Por outro lado, os servidores municipais não tem o que reclamar, os aumentos no vale alimentação e salarial, bem como, o pagamento de todos os salários e 13º que estão em dia. Continue lendo

Em Ilhéus, nenhum Agente Comunitário de Saúde (ACS) e Agente de Combate às Endemias (ACE) a menos

A sentença judicial expedida pelo Juiz da Comarca de Ilhéus – 1ª Vara da Fazenda Pública, Alex Venicius Campos Miranda, que determinou a exoneração de alguns servidores contratados e os que ingressaram no município anterior da Constituinte de 1988, não afetará os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agente de Combate às Endemias (ACE).

Tendo em vista que todos fizeram processo seletivo, conforme prevê a Emenda Constitucional (EC) nº 51 de 2006, logo, não há ilegalidade.

Na sentença o juiz afirma:

Nas fls. 1.841/2.091, consta relatório de pessoal por secretaria e regime. Com base nesse documento, a Procuradoria Judicial do Município de Ilhéus poderá tomar todas as atitudes necessárias para o fiel cumprimento desta decisão judicial,  sendo que em relação aos contratos temporários deverão permanecer somente os  contratados da Secretaria de Educação (Edital 001/2017), pelo tempo determinado na  lei; os agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias, nas condições  do art. 12 da Lei 11.350/2006, recém alterada pela Lei 13.595/2018; os agentes  comunitários de saúde e agentes de combate às endemias que estejam cumprindo prazo contratual;

Conclui-se, que só serão demitidos ACS e ACE que não se enquadrem no artº 12 da lei 11.350/2006, a saber:

Art. 12. Aos profissionais não-ocupantes de cargo efetivo em órgão ou entidade da administração pública federal que, em 14 de fevereiro de 2006, a qualquer título, se achavam no desempenho de atividades de combate a endemias no âmbito da FUNASA é assegurada a dispensa de se submeterem ao processo seletivo público a que se refere o § 4º do art. 198 da Constituição, desde que tenham sido contratados a partir de anterior processo de seleção pública efetuado pela FUNASA, ou por outra instituição, sob a efetiva supervisão da FUNASA e mediante a observância dos princípios a que se refere o caput do art. 9º.

A seleção realizada em 2005 pela Prefeitura Municipal de Ilhéus que teve como telos a contratação de Agentes de Combate às Endemias, mediante ingresso via processo seletivo e teve a fiscalização e treinamento efetuado pela FUNASA, visualize a comprovação documental abaixo: Continue lendo

Enquanto isso, os processos da Lava-Jato no STF zzzzzzzzzzzzz

Enquanto isso, os processos da Lava-Jato no STF zzzzzzzzzzzzz 7

Não há manifestações de rua ou protestos nas redes sociais, nem mesmo por parte dos virtuosos “indignados da nação”, mas o fato continua sendo o que o fato é: os julgamentos dos réus e denunciados na Lava-Jato ao Supremo Tribunal Federal simplesmente não acontecem – e nem acontecerão antes que o tema caia no esquecimento geral.

São deputados, senadores, ministros, todos fazendo parte da turma graúda e poderosa, ainda que alguns estejam entre os derrotados nas urnas, mas não perderam o foro.

O STF, repito, deve ser o guardião da Constituição Federal e precisa estabelecer um padrão de interpretação, como qualquer país civilizado. Mas já deixou bastante claro: julgamento de autoridade não há de acontecer por lá – não é esta a vocação da Corte. Continue lendo

Os desafios de Jair Bolsonaro na presidência

Os desafios de Jair Bolsonaro na presidência 8

Não há o que contestar, ainda que uma parcela significativa do eleitorado tenha votado na oposição: a vitória de Jair Bolsonaro é legítima, e não creio que se deva às fake news.

O candidato do PSL conseguiu atrair a imensa legião de insatisfeitos e que não necessariamente defendem suas ideias mais extremadas.

Como sempre acontece – basta ver a média das eleições presidenciais anteriores -, foi o chamado centro quem definiu a votação expressiva de Jair Bolsonaro.

Agora, foi ele quem conquistou essa parcela do eleitorado que é sempre flexível e mutante.

São vários os desafios do futuro presidente.

Eu destacaria: ele precisa e vai ter de mostrar que tem um programa para o Brasil que vai além da questão da Segurança Pública ou de outras generalidades apresentadas por ele durante a campanha.

Vai ter de provar, rapidamente, que pretende, de fato, reconciliar os brasileiros, envolvidos na campanha por uma irracionalidade que deixou feridas até mesmo nas famílias mais unidas. Continue lendo