Estudante do CPM Ilhéus é premiada no Concurso de Fotografia promovido pelo MobCidades

Estudante do CPM Ilhéus é premiada no Concurso de Fotografia promovido pelo MobCidades 1

Depois de mobilizar colegas, familiares, amigos, cativar internautas e ganhar 344 curtidas na sua foto, a estudante do 2º ano do Colégio da Polícia Militar Rômulo Galvão (CPM Ilhéus), Lorena Menezes, venceu o Concurso de Fotografia Estudantil “Olhar Inclusivo”, realizado pelo Instituto Nossa Ilhéus, por meio do projeto MobCidades. O certame teve o objetivo de estimular a cidadania e a percepção dos jovens participantes sobre os problemas de acessibilidade e mobilidade na cidade.

A premiação aconteceu na tarde desta quinta-feira (23), no escritório do Instituto, e contou com a presença da professora do CPM, Fernanda Dantas, do coordenador comercial e do coordenador educacional da Microlins Ilhéus, Matheus Melo e Igor Souza, além de familiares da estudante.  Lorena levou para casa um troféu em formato de câmera fotográfica, confeccionado em argila pela presidente do INI, Maria do Socorro Mendonça, e um curso de Adobe Photoshop, oferecido pela Microlins Ilhéus, apoiador do concurso. Assista ao vídeo da premiação neste link: http://abre.ai/livepremiacaoconcursofoto

A atividade que deu subsídio para o concurso foi realizada no dia 21 de setembro, Dia Mundial da Limpeza, e teve orientação dos professores Fernanda Dantas, Débora Cândido e Emerson Nascimento. Na ocasião, os estudantes participaram de uma ação de recolhimento de lixo na Baía do Pontal e fizeram as fotografias. As imagens foram publicadas no Instagram @nossailheus, sendo a mais curtida a vencedora do Concurso.

Além de ser uma ação de promoção da cidadania para os jovens, a atividade fez com que os participantes percebessem como podem ser melhores as calçadas e ruas em que circulam para fazer seus trajetos diários. Buracos, falta ou má colocação de piso tátil e de rampas, ausência de faixa de pedestre em determinados trechos onde se faz necessário foram algumas das barreiras fotografadas por eles durante a atividade. Além disso, a ação permitiu refletir sobre como o aparelho celular pode promover o monitoramento e a reivindicação de um espaço público mais acessível para todos.

“Com o incentivo da professora ao fazer a aula de campo, fiquei mais atenta e tive esse olhar para perceber os problemas que precisam ser resolvidos”, comentou Lorena. Já o consultor do projeto MobCidades, Jonathan Souza, complementou que a atividade estimulou a cidadania nos jovens: “Esperamos que esse estímulo os impulsione a serem agentes cidadãos, e que o poder público possa fazer a sua parte atendendo as demandas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *