Você está em: Home » Concurso » Quase 26 mil se inscrevem para disputar 400 vagas temporárias no IBGE

Quase 26 mil se inscrevem para disputar 400 vagas temporárias no IBGE

Quase 26 mil pessoas se inscreveram para disputar 400 vagas temporárias oferecidas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para a realização do Censo 2020. Eles concorrerão a vagas com salários de R$ 4.200 por mês.

Segundo o instituto, foram homologadas 25.787 inscrições, uma relação de 64,4 candidatos por vaga. Mais da metade deles (12.897) disputará uma das 142 vagas com formação em Gestão e Infraestrutura, o que dá uma relação de 181,6 candidatos por vaga.

Realizado a cada dez anos com o objetivo de traçar um perfil da população brasileira, o Censo é a maior operação do IBGE, envolvendo visitas a cerca de 71 milhões de domicílios em 5570 municípios. O IBGE realizará outros quatro concursos e a previsão inicial previa a contratação de até 230 mil pessoas para a pesquisa.

A preparação do Censo vem sendo alvo de embates entre técnicos do instituto e o governo Jair Bolsonaro, que determinou cortes no orçamento da pesquisa. No início de julho, o IBGE divulgou questionários mais enxutos que em anos anteriores, gerando protestos entre técnicos e especialistas.

Os candidatos ao concurso do IBGE disputam vagas de analistas censitários. Serão responsáveis por coletar e processar as informações da população brasileira. As posições estão distribuídas entre 20 carreiras de nível superior e em todas as unidades da federação.

As provas serão realizadas no dia 1º de setembro e as convocações ocorrem a partir do dia 27 do mesmo mês. Entre setembro e dezembro, o IBGE realiza uma etapa experimental de coleta de informações no município de Poços de Caldas (MG).

Lá, serão testados pela primeira vez os novos questionários anunciados em julho. O questionário básico, aplicado a 90% dos domicílios, terá 25 questões, oito a menos do que o aplicado em 2010. O completo teve o número de perguntas reduzido de 112 para 76.

Os cortes foram questionados por técnicos e especialistas pela possibilidade de perdas de informações em temas como imigração e trabalho. Em junho, cinco gestores do IBGE pediram exoneração de seus cargos por divergências com a gestão de Susana Cordeiro Guerra, indicada para presidir o instituto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

O IBGE diz que os cortes têm o objetivo de melhorar a qualidade das respostas e que eventuais perdas podem ser compensadas com outras fontes de informações, como registros administrativos (da Polícia Federal, por exemplo) e outras pesquisas do instituto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *