Dança das Cadeiras com a reforma administrativa sacode tabuleiro político de Ilhéus

Dança das Cadeiras com a reforma administrativa sacode tabuleiro político de Ilhéus 1

Na minha infância brinquei muito de Dança das Cadeiras, uma brincadeira que estimulava a concentração e a competitividade daqueles que almejavam sentar na bendita cadeira e quase sempre eu conseguia vencer, quando não, dava um jeito de ganhar, coisas de criança (risos).

Depois de um resultado inesperado e conturbado percebemos diversas articulações visando o inegável, estamos discutindo 2020? Sim, estamos, até porque entendo que a política é uma engrenagem que não para nunca, e toda hora pode ser envolvida e discutida por todos a sua volta. Diferente do que muitos pensam, os diversos “derrotados” estão tentando chegar longe unindo o útil ao agradável. A eleição de 2018 foi um aquecimento para o que está por vir, e não será pouca coisa caro leitor (a), saberemos quem é quem no jogo político e até que ponto podemos achar que aquele determinado candidato será vitorioso ou não.

A eleição que acabou mostrou aos políticos que gostam de afirmar que são “fortes”, que o modo antigo de campanha não funciona, a compra de votos não foi a mola percursora dos dividendos que proporcionaram ao novato Delegado Alessandro Vieira a eleição disparada de Senador, garantindo ao mesmo uma votação surpreendente e surreal, nunca tinha visto algo parecido em resultados eleitorais, digo em candidatos em primeira eleição. Foi algo inédito!

A chamada cláusula de barreira deve enquadrar aquelas legendas que no passado eram destaques e hoje podem se resumir a pó, falo do PCdoB, do novato Rede Sustentabilidade e de outros nanicos que não conseguiram eleger um quantitativo que ultrapassasse a cláusula de barreira. Pena? Nenhuma, está mais do que na hora de uma reforma política profunda e que extingue partidos que são tidos como “legendas de aluguéis”, isso precisa acabar, e a tão temida cláusula de barreira vai proporcionar a fusão de legendas ou até mesmo a extinção. O nosso país não precisa de muitos partidos, precisa de políticos comprometidos com a população brasileira, digo mais, o povo está de olho, outrora antigos políticos eram tidos como vitoriosos, gladiadores do poder, mas, o resultado mostrou o contrário. Com a derrota da Ex-Deputada Ângela Sousa (PSD), o governo municipal de Marão (PSD), não pode mais errar.

O PP ilheense que vem acostado com PRB, PR, e a turma da “velha política”, teve políticos presos, e tem um que não tem data pra sair da cadeia.

O PSL de Ilhéus não decola, por conta dos “egos”.

PT está com o vermelho “desbotado”.

Bebeto (PSB) desapareceu, dizem que está em algum gabinete, ou na porta do gabinete.

O DEM diz que vai buscar ganhar em municípios “chaves”, todavia não tem nome.

O Valderico (PATRIOTAS) “Limão” está lá por cima, mas deveria espantar os abutres. De uma coisa eu sei, os Vereadores com mandatos, querem cargos, desagradar agora, é ganhar lá na frente.

Eu estou esquecendo de alguém? Se estou, o povo nem lembra!

Nada que um bom copo de água não resolva o engasgo que alguns vem sentido logo após o resultado das eleições. Isso é só o começo meus caros, o começo de uma grande mudança que está por vir. Chegou o momento do basta ao “Corruptos”!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *