:: Colunistas
::Publicidade

Fé e tradição marcam mais um ano da Puxada do Mastro de São Sebastião em Ilhéus

Fé e tradição marcam mais um ano da Puxada do Mastro de São Sebastião em Ilhéus 1

No meio da mata de Ipanema, localizada na Estância Hidromineral de Olivença, zona sul de Ilhéus, marchadeiros iniciaram as festividades da secular festa da Puxada do Mastro de São Sebastião, com a escolha da árvore, que determinaram as toras de mastro puxadas no domingo (13). Esse ritual acontece sempre uma semana antes do evento, início de todo o ciclo da tradição.

A comunidade local e a Prefeitura de Ilhéus, por meio das Secretarias de Turismo e Eventos (Setur) e de Cultura (Secult), ao longo da última semana, prepararam e arrumaram toda a estrutura da festa, onde turistas e nativos derrubaram o mastro e percorreram as praias e principais ruas do local até chegar à praça principal, onde aconteceu todo o enredo da celebração.

De acordo com o historiador Erlon Costa, a Puxada do Mastro de São Sebastião mantém a tradição há mais de quatro séculos, desde o período da colonização. “Significa a resistência da memória do povo tupinambá na região” diz ele. A festividade une comunidade religiosa e indígena para celebrar com rituais, manifestações culturais, cortejos e shows na Praça Cláudio Magalhães, onde fica a Igreja de Nossa Senhora da Escada, ponto alto dos festejos.

Cortejo de mascarados – Na sexta-feira (11), pelas ruas de Olivença um bando de mascarados anunciavam à comunidade com o badalar do sino e através do cortejo, que havia começado a festa. Instituições locais como igreja, escolas, grupo de capoeira e associações realizaram desfile cultural, hastearam a bandeira e acenderam o fogo simbólico que deram início às comemorações.

Na celebração da puxada, todos da comunidade têm uma função, permitindo que a família local esteja presente, pais e filhos participem juntos, ensinem as músicas e coreografias para a geração futura e mostrem tudo que aprenderam com seus ancestrais, como ocorreu no sábado (12), com os desfiles irreverentes do Terno das Camponesas e do Boi Estrela. Ainda na noite do sábado, aconteceram a procissão e a missa de Tríduo ao São Sebastião. Os shows ficaram por conta das bandas Pagofunk e Batuque Bom.

Contexto cultural – O domingo começou cedo com a alvorada, rituais religiosos (benção) e indígenas (poranci) na porta da igreja, em seguida o grupo de marchadeiros foi buscar o mastro na mata para oferecer a São Sebastião, que foi puxado por turistas e nativos ao som do canto em língua indígena Tupi. Milhares de pessoas presentes festejaram a chegada do mastro com rituais e muita música ao som das bandas Kavunje e Realce até às 21h.

Para a moradora de Olivença Mônica Nunes, a Puxada do Mastro movimenta o turismo local, as praias ficam cheias e os visitantes passam a conhecer um pouco da nossa cultura. “A tradição se mantem viva por muitos anos, como sou católica, sempre participo da missa e das celebrações na praça” disse.

O turista de Brasília, Alexandre Rocha, estava de passagem por Ilhéus com destino a barra grande, soube do evento e fez questão de conhecer. “Achei interessante o contexto cultural da festa e a interação das pessoas, fiquei feliz que tive a oportunidade de participar” comentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Life Saúde
Life Saúde
::Publicidade