ILHÉUS: Família espera há mais de um ano para enterrar parente

A dona de casa Marliene Cintra dos Santos, 33 anos, já se acostumou com a peregrinação. Há um ano e um mês, pelo menos uma vez por semana, ela sai de casa, no bairro de Teotônio Vilela, em Ilhéus, e vai até a sede do Departamento de Polícia Técnica (DPT) da cidade do Sul do estado. É lá que, desde 10 de setembro do ano passado, está o corpo de seu irmão, Waldiney Cintra dos Santos, 31.

Waldiney morreu carbonizado, dentro da própria casa. Só que é impossível reconhecê-lo. Para o DPT, somente um exame de DNA pode confirmar se realmente se trata dele. O problema é que o material genético é colhido em Ilhéus, mas o exame é feito na sede do DPT, em Salvador.

“Colheram saliva e sangue meus e de minha mãe. Primeiro, disseram que a resposta do exame saía dentro de 15 a 20 dias, mas já passou um ano e um mês. Eu fico sempre indo lá e a resposta é a mesma. Dizem que demora, que é assim mesmo, e tal”, critica a dona de casa.

Na época, Waldiney morava com a mãe no município de Una, também no Sul da Bahia. Numa madrugada de sábado para domingo, a casa foi invadida e Waldiney foi morto. Foi esquartejado e, em seguida, carbonizado. A própria residência onde moravam foi incendiada e completamente destruída.

No entanto, ela e a mãe não têm dúvidas de que se trata do irmão.

“Eu pergunto: por que eles estão guardando esses ossos lá? Parece que estão guardando porque a gente sabe que é ele. A gente encontrou dentro de casa, na parte do quarto que ele dormia. Se não fosse ele, depois desse tempo todo ele já teria aparecido”, desabafa Marliene.

A família não entende as justificativas. Até hoje, não conseguiram enterrá-lo. A mãe deixou de morar em Una – não quis mais construir nada no mesmo terreno. Se mudou para Santa Luzia. “A família está arrasada, porque a gente fica esperando e nada, é uma angústia de todo mundo. Depois desse tempo todo, essa análise não foi feita? Já era para ter sido feita há muito tempo”.

Waldiney não trabalhava. Segundo a irmã, por conta de um problema de saúde, era sustentado pela mãe. Era separado da mulher e tinha um filho – hoje, a criança tem oito anos.

Marliene chegou a tentar pedir auxílio da Defensoria Pública do Estado (DPE), mas desistiu, ainda no ano passado. “Eles explicaram que demorava mesmo, depois a defensora entrou de férias e eu nunca mais voltei lá. Você vai tentando, tentando e não consegue. Por isso, eu desisti”, explica.

*Informações do Correio 24h.

Follow me

Matheus Silva

Editor e Designer Digital em ilheus.net
Matheus Silva é graduado em Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR/BA, graduando em Física pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).
Follow me

Atenção! Os comentários do blog são via Facebook ou Google Plus, se quiser comentar, esteja logado! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor do mesmo.

Loading Facebook Comments ...
Técnico em informática em Ilhéus
Técnico em informática em Ilhéus

Técnico em informática em Ilhéus

Ultra Li

ADMINISTRAÇÃO DE SITES, BLOG E HOSPEDAGEM WEB
Administração técnica do seu site e blog, mantendo o funcionamento otimizado.

Solicite seu orçamento Aqui