Já surgiram – e vão surgir mais – discursos variados e antagônicos sobre o atentado contra Jair Bolsonaro.

Mas é preciso deixar claro o fato: o atentado houve e outras ações violentas podem ocorrer na campanha, independentemente de motivações políticas.

A violência está no ar que respiramos.

O que eu chamo a atenção de quem acompanha este espaço é para o momento vivido pelo Brasil, em que esta violência atinge o paroxismo (?), com o país superando os seus (nossos) próprios recordes de homicídios: foram mais de 62 mil no ano passado.

Um genocídio de brasileiros cometido por brasileiros.

É uma estatística que só faz crescer: o Brasil é responsável por mais de 10% dos assassinatos que acontecem no planeta – trata-se do país que mais mata em números absolutos.

O que o atentado em Juiz de Fora tem a ver com isso?

Seja qual for a sua motivação, se tenha sido ou não cometido por um “lobo solitário”, o mais importante é buscarmos a explicação e vá além do episódio, para que atuemos na origem da “doença”.

Há explicações sociológicas, históricas e psicológicas para a forma – já naturalizada – que encontramos de resolver os conflitos cotidianos: eliminando o outro, de quem discordamos.

Existem elementos novos para espalhar o veneno no ar. Claro, quem acompanha o blog pode deduzir que eu estou tratando, mais uma vez, das redes sociais.

E é verdade.

Mas cabe aqui uma informação adicional: um estudo realizado na Inglaterra – e eles são vanguarda mundial nessa área – defende que as mulheres durante a gravidez devem se afastar das redes para evitar provadas mudanças de humor acentuadas, levando inclusive à depressão.

Está claro: não há problema com a internet – que não é um mal em si nem nunca será. Quem opera os teclados é o senhor do que navega – e, em regra, tem sido ‘senhor da guerra’.

Mas a nossa espécie não parece preparada ainda para lidar com todos os seus benefícios. Ao contrário, quando navegamos no cotidiano das relações virtuais, os nossos instintos mais primitivos assumem o protagonismo nas reações que adotamos, nas palavras que usamos.

Duelar com um bárbaro é tornar-se também – e rapidamente – um bárbaro.

É claro que num país, o nosso, em que as injustiças sociais estão evidentes e acentuadas, em que os poderes constituídos se apresentam igualmente frágeis e vulneráveis, tudo tende a ser mais agudo, as nossas rações ainda menos racionais.

Eis um motivo a mais para que aqueles que estão na disputa eleitoral assumam como responsabilidade não açular mais a ira das redes – com seus seguidores e/ou fãs -, que vai para as ruas e volta mais viva, pedindo passagem e nos empurrando para a barbárie. Ninguém está imune a ela, ou será capaz de contê-la se não a enxergamos nos nossos dedos.

Que 2018 não se torne um ano para o Brasil esquecer.

Não para um país que é o quinto mais perigoso para as mulheres; que é o campeão mundial de crimes homofóbicos; racista, machista, misógino (tudo que negamos), o que se manifesta na prática.

Imagino que vamos, sim, superar essa quadra da vida brasileira. Mas é lembrar que, “em tempos incivilizados, as primeiras vítimas são os civilizados” (William Clark Styron).

Quem?

Qualquer um de nós.

Texto adaptado do Ricardo Mota do TNH

::Publicidade
Compartilhar Post:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *