Família Berbert celebra em Ilhéus os 200 anos de chegada ao Brasil

Foto: José Nazal

Neste sábado (28), às 19 horas, o Teatro Municipal de Ilhéus abre suas cortinas para contar uma vitoriosa história que já dura 200 anos. Um encontro vai reunir várias gerações da família Berbert espalhadas pelos quatro cantos do Brasil. Tempo de comemorar a saga da família de origem alemã que há dois séculos partiu de Hamburgo, na Alemanha, dando início à aventura da imigração no Brasil.

Oriundos do veleiro Anna Louise, parte do grupo desembarcou na Feitoria do Linho Cânhamo, no Rio Grande do Sul, e mais colonos pisaram em outras terras, a exemplo de Johann Heinrich Berbert, que desembarcou em Ilhéus, no século XIX. Sua chegada coincidiu com um benefício oferecido pelo rei de Portugal, D. João VI, que doou um terreno para a construção de uma sesmaria, localizada na Fazenda Primavera, às margens da BR 415, Rodovia Jorge Amado. Na ocasião, deram o nome de Sesmaria Berbert e fincaram raízes nas terras do sul da Bahia.

Nascia, então um modelo calcado na pequena propriedade de produção familiar, ideal para quem estava começando em terras até então pouco conhecidas e quase nada exploradas. Para sobreviverem, as famílias plantaram cana-de-açúcar e, mais tarde, o cacau. Os tempos passaram e os Berbert ganharam, com muita competência, a identidade regional. Estiveram presentes nas principais lutas de Ilhéus. É de se reconhecer a importância da família na luta pela construção e o desenvolvimento da região, a exemplo, Porto de Malhado.

Outro legado, o fórum da Comarca de Ilhéus, cujo nome homenageia o advogado e jurista, Epaminondas Berbert de Castro, filho do coronel Ramiro Berbert de Castro. Segundo registros, Ramiro nasceu na fazenda Triunfo, filho do casal Ramiro Ildefonso de Araújo Castro e Dona Libuça Berbert de Castro. A colonização alemã no país foi um marco de contestação à matriz colonial que vigorava no Brasil desde o descobrimento, com base na grande propriedade, acionada pelo trabalho escravo e voltada à produção para o exterior.

“Hoje, nós descendentes, celebramos a liberdade conquistada por nossas mãos, afinal, somos livres para viver a cultura e as nossas tradições. Hoje, podemos viver a beleza da cultura brasileira ao lado de outras culturas irmãs como a dos afrodescendentes, dos asiáticos e de outros países europeus”, reconhece Virgílio Costa de Amorim, descendente da família.

A beira de completar 200 anos de história no Brasil, os descendentes fizeram jus e, com respeito às raízes, também contribuíram para o crescimento econômico e desenvolvimento social das regiões onde moram. Os primeiros imigrantes alemães, com fé, coragem, união e determinação, ergueram suas colônias com o trabalho na roça e deixaram para seus descendentes um legado sólido na cultura, nas tradições, na religiosidade e nos costumes.

É esse espetáculo de riqueza histórica e tradição familiar, que o Teatro Municipal de Ilhéus vai abrigar amanhã. Um espetáculo com final feliz para muitos que escolheram Ilhéus como sua identidade e sua terra. E, com muito orgulho, fazem parte da nossa gente e da nossa história, conforme diz a Secom Municipal.

Link permanente para este artigo: https://www.ilheus.net/2018/04/familia-berbert-celebra-em-ilheus-os-200-anos-de-chegada-ao-brasil.html

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.