Na Bahia, vendas do varejo caem 0,6% de julho para agosto

Em agosto de 2017, as vendas do varejo na Bahia seguiram em queda (-0,6%) em relação ao mês anterior, na série livre de influências sazonais. Em julho, já haviam recuado 0,7% nessa comparação.

Nesse confronto, o varejo baiano teve desempenho próximo à média nacional (-0,5%) e acompanhou outros 15 estados em que as vendas recuaram. Os piores resultados registrados pelo comércio, nesse confronto, vieram de Sergipe (-1,4%), São Paulo (-1,7%) e Amazonas (-3,2%).

Dos 10 estados com aumentos nas vendas em agosto, frente a julho, os destaques foram os desempenhos de Tocantins (5,5%), Rondônia (3,9%) e Roraima (2,6%). No Paraná, as venda se mantiveram estáveis (0,0%) nessa comparação.

Apesar do resultado negativo frente a julho, quando a comparação é com o ano de 2016, as vendas do comércio varejista baiano seguem em alta (1,0%) em agosto, acelerando em relação a julho, quando haviam crescido 0,6%. Foi o terceiro incremento consecutivo das vendas nesse tipo de confronto, depois de quase dois anos e meio de recuos seguidos.

Ainda assim, em relação a agosto de 2016, o varejo baiano (1,0%) segue crescendo bem menos que a média nacional (3,6%) e mantém o segundo resultado positivo mais tímido, acima apenas do Ceará (0,2%).

Dos 27 estados, 6 tiveram quedas nas vendas do comércio em agosto17/agosto16, sendo as mais intensas em Goiás (-8,0%), Paraíba (-7,8%) e Distrito Federal (-4,0%). Por outro lado, o varejo teve seus melhores resultados, nessa comparação, em Santa Catarina (16,4%), Acre (12,9%) e Rondônia (12,8%).

As vendas do varejo baiano seguem em queda no acumulado no ano de 2017 (-1,8%) e nos 12 meses encerrados em agosto (-5,0%). Ambos os recuos são bem mais intensos que a média nacional (+0,7% e -1,6% respectivamente), mas seguem numa trajetória de desaceleração do ritmo de perdas desde o início de 2017.

Dos 27 estados, 14 ainda apresentam queda nas vendas do varejo no acumulado de 2017 e 19 seguem com resultados negativos para o acumulado em 12 meses.

Considerando automóveis e material de construção (varejo ampliado), vendas na BA crescem 4,4% frente a agosto de 2016

Na Bahia, as vendas do comércio varejista ampliado – que engloba o varejo e as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção – cresceram 4,4% na comparação agosto 17/ agosto 16.

Foi o melhor resultado para o varejo ampliado baiano neste ano, acima do varejo restrito (1,0%), embora ainda abaixo da média nacional (7,6%).

Tanto as vendas de veículos, motocicletas, partes e peças (11,3%) quanto as de material de construção (11,0%) cresceram a dois dígitos em agosto, na Bahia.

Os bons resultados do mês reduziram as perdas acumuladas pelo varejo ampliado tanto no ano (de -1,4% em julho para -0,7% em agosto) quanto em 12 meses (de -5,0% em julho para -3,8% em agosto).

Vendas de móveis e eletrodomésticos seguem em forte crescimento (40,8%) e continuam puxando varejo baiano para cima

Em relação ao mesmo mês do ano passado, em agosto/17, na Bahia, apenas 2 das 10 atividades do varejo e varejo ampliado tiveram resultados negativos: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-13,3%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-10,0%).

Dentre as 8 atividades em que houve aumento das vendas, os destaques, em termos de magnitude do crescimento, foram para os setores de móveis e eletrodomésticos (40,8%); livros, jornais, revistas e papelaria (20,1%); e outros artigos de uso pessoal e doméstico (14,5%).

Pelo seu peso na estrutura do comércio baiano, a atividade de móveis e eletrodomésticos foi, pelo terceiro mês consecutivo, a principal influência positiva no resultado do mês. Ela cresce seguidamente desde março deste ano e já tem uma expansão acumulada de 22,1% no ano de 2017.

Destaca-se também o aumento nas vendas de outros artigos de uso pessoal e doméstico (14,5%). Essa atividade inclui as lojas de departamento e parte expressiva do comércio eletrônico (grandes sites de vendas) e vem crescendo seguidamente desde maio, acumulando expansão de 4,7% em 2017.

Por outro lado, as vendas dos hipermercados, supermercados, produtos alimentícios e fumo (-13,3%) continuam exercendo a principal pressão de baixa no varejo baiano, impedindo que as vendas tivessem um resultado ainda melhor em agosto, frente ao ano passado.

Os hiper e supermercados são a atividade de maior peso no varejo e seguem com quedas sucessivas nas vendas há mais de dois anos, desde maio de 2015 (-4,9%), sem mostrar ainda redução importante do ritmo de recuo. Em 2017, já acumulam perda de 13,0%, conforme nos informou a SECOM do IBGE.

Franklin Deluzio
Follow me

Franklin Deluzio

Autor em ilheus.net
Franklin Deluzio é graduado em Filosofia pela Universidade Estadual de Santa Cruz, Especializando em Educação, Especializando em Gestão Pública Municipal (UESC) e Servidor Municipal de Ilhéus/BA.
Franklin Deluzio
Follow me

Atenção! Os comentários do blog são via Facebook ou Google Plus, se quiser comentar, esteja logado! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor do mesmo.

Loading Facebook Comments ...
Teste sua internet
Técnico em informática
Técnico em informática em Ilhéus

Técnico em informática em Ilhéus

Ultra Li

Agência Digital com experiência 100% focada no online, atuando com o desenvolvimento de sites e soluções completas para a internet.

Solicite seu orçamento Aqui